JCT Music

: : :

quinta-feira, novembro 15, 2018

"
Será maravilha ou tem
O que ninguém deu
Durante a viagem
P´ro outro lado





Encontro uma ilha
É mais outra ilha
Será que é mais outro porto
Em que se bebeu
E se esqueceu
Um outro fado"

sábado, novembro 10, 2018

My mark

I know something about opening windows and doors
I know how to move quietly to creep across creaky wooden floors
I know where to find precious things in all your cupboards and drawers
Slipping the clippers through the telephone wires
The sense of isolation
Inspires me
I like to feel the suspense when I'm certain you know I am there
I like you lying awake, your baited breath charging the air
I like the touch and the smell of all the pretty dresses you wear
Intruders happy in the dark
Intruder come and he leave his mark




quarta-feira, novembro 07, 2018

The sands of time

Now as the river dissolves in sea
So Neptune has claimed another soul
And so with gods and men
The sheep remain inside their pen
Until the shepherd leads his flock away
The sands of time were eroded by
The river of constant change

Traços


domingo, novembro 04, 2018

Tomásia

"Tomásia era uma rapariga desempenada, e com olhares derretidos. De entendimento era escura, como quem não sabia ler, nem tivera, alguma hora, desgosto de sua ignorância. Tinha vinte e seis anos, e nunca estivera doente. Nunca tomara chá nem café. Almoçava caldo d'ovos com talhadas de choiriço. O sol ao nascer, nunca a surpreendeu em jejum. Trabalhava de portas adentro com as criadas: fazia as barrelas, fabricava o pão, administrava a salgadeira, e vendia os cereais e as castanhas. Regularmente calçava soquinhas debruadas de escarlate e sarapintadas de verde. As meias eram de lã ou algodão azuis; mas não usava ligas, de jeito que as meias caíam em refegos à roda do tornozelo - o que não era feio. Nas romarias, calçava sapato de fitas, e trazia chapéu desabado com plumas brancas. Os pulsos eram duma cana só, como lá dizem para exprimirem a força. Cada palma de mão parecia uma lixa; e elogiar-lhe o cuidado das unhas seria adulação indigna da minha sinceridade. Dentes nunca os vi mais ricos de esmalte. Limpava-os com uma erva do monte, que lá chamam mentrasto; e as pomadas das suas opulentas tranças louras eram a água cristalina do tanque em que ela mergulhava a cabeça todas as manhãs. Sentava-se depois à sombra dum castanheiro, nos dias festivos, a pentear-se, e era belo vê-la então coberta de seus cabelos até à cintura, que moira mais linda a não sonharam poetas, em orvalhadas de S. João, alisando as madeixas com pente de ouro."

Camilo Castelo Branco

sábado, novembro 03, 2018

As Eternas Tardes De Sábado Na Cidade


Amor Num Banco Da Cidade


Seres Na Cidade


Solidão Na Cidade


Um Homem Na Cidade


A Imensidão Da Cidade


Aguarela Outonal Na Cidade 4


Aguarela Outonal Na Cidade 3


Aguarela Outonal Na Cidade 2


Aguarela Outonal Na Cidade 1


quinta-feira, novembro 01, 2018

Balooning


Pelo menos o logotipo é bonito


Árvores com as cores do Outono


Ribatejo


Uma Árvore, Duas Cores


Recuperação de restaurante alentejano


Uma Árvore no Outono


Estranhos frutos


Colheita


Um castelo no Alentejo


domingo, outubro 28, 2018

The Birth of Oliver Haddo

http://www.llewellyn.com/blog/2010/03/the-birth-of-oliver-haddo/

THIS POST WAS WRITTEN BY DONALD MICHAEL KRAIG ON MARCH 15, 2010

Some of you may be familiar with the name “Oliver Haddo.” It’s the name Aleister Crowley used (he used lots of pseudonyms) when he wrote a few items.
The source of the name, however, is from a book entitled The Magician by Somerset Maugham, author of such books as Of Human Bondage, The Moon and Sixpence, and my personal favorite, The Razor’s Edge.

Maugham had met Crowley in Paris, and supposedly didn’t like him. Yet, he modeled the antagonist of his 1908 book The Magician, Oliver Haddo, after Crowley. According Richard Kaczynski, Crowley read the book and recognized himself as Haddo. He recognized things he, himself, had said…and a lot more. Crowley wrote a review of the book using the pen name Oliver Haddo. Published in the famed magazine “Vanity Fair,” it accused Maugham of extensive plagiarism, copying from books by Eliphas Levi, McGregor Mathers, and even from “The Island of Dr. Moreau” as well as from others. I guess that was another reason for Maugham to dislike Crowley.
In 1926, Rex Ingram (a famous film director who made “The Four Horsemen of the Apocalypse” that made Rudolph Valentino a star) made a film version of “The Magician.” Starring in the role of Oliver Haddo was the German actor and director Paul Wegener (his only Hollywood role), now famous for his earlier movie, “The Golem.”
Last night, the Turner Classic Movie (TCM) channel, for the first time ever, showed Ingram’s film. Wegener was a large, barrel-chested man with odd, almond-shaped eyes. He was both repelling and alluring, qualities some people have attributed to Crowley. The plot has Crowley Haddo as a combination wizard, alchemist, and mad (literally) scientist attempting (for no stated reason) to create life. Unfortunately, this required the blood from the heart of a “maiden.” With this background, the plot becomes obvious. Happy woman is seduced away from her fiance by Haddo. Fiance searches for her, finds her during the final magickal rite, kills Haddo and saves his love.
According to Kaczynski, when the film was about to premier, Crowley tried to get an injunction to stop it. He claimed he should receive compensation as the model for Haddo. “Crowley’s plan was to block the film’s showing in order to get a contract to make a series of educational films about magick. When the studio’s representatives contacted him and offered a financial settlement, Crowley refused the offer.” Unfortunately, there was no movie deal, the premier was held on schedule, and Crowley got nothing.
Well, that’s the story of Crowley, Maugham, and Oliver Haddo. Currently, TCM shows a silent film each Sunday evening, so you might want to watch their schedule to see when it’s showing again. Although the movie was filmed in black an white, as was actually common of films in that period, the film was tinted in various places (blue, red, sepia) to help add to the emotions of the film. If you’re used to seeing old films in just black and white, this will give you an idea of what people seeing the original would have seen. Of course, it’s a silent film, but they’ve added a music score. The original music is fine, but at times they use rather obvious, overly well-known classical melodies and music to amplify a scene. I found this rather clichéd.
Kaczynski adds that James Whale, director of the original Frankenstein and Dracula films, viewed The Magician repeatedly, and there are several similarities in those films. Certain views of Haddo match the filming of certain shots of Bela Lugosi as Dracula. The tower where Haddo has his headquarters is almost the same as that in Frankenstein. Haddo’s assistant, like Dr. Frankenstein’s, is a hunchback. And finally, the destruction of the tower at the end of Whale’s Bride of Frankenstein looks almost identical to the destruction of Haddo’s tower headquarters.
I looked at the TCM website and didn’t see that this film was for sale, but since it had a new copyright added to it, I’m going to assume that it will become available to film buffs and Crowley fans.
Did you see it? What did you think of it?

Seja


sábado, outubro 27, 2018

Natália Correia*- "Uma laranja para Alberto Caeiro"

Trovante‎ - "Linha das fronteiras"

Trovante‎ - "Combóio" do disco "Cais das Colinas"

António Pinho Vargas* - "Lindo ramo,verde escuro"

António Pinho Vargas (feat. Maria João) - "Vilas Morenas"

Sono l'assassino

Sono l'assassino, con la lingua forgiata dall'eloquenza
Sono l'assassino, fornendo la tua nemesi
Sull'altare sacrificale al successo, amico mio
Scatena uno sconosciuto da un bacio, amico mio
Nessun incantesimo di rimorso, amico mio
Unsheathe la lama all'interno della voce, amico mio

Chi decora la sciarpa con il nodo fugi
Chi ha mimetizzato le emozioni in uno sguardo di migliaia di metri
Chi ha scavato le tacche dall'albero genealogico
Chi ha ipnotizzato il senso di colpa nella trance del ritmo di carriera

Assassare, assassinare, assassinare, assassinare

Ascolta le sillabe del gatto macello con calma precisione
Le frasi gelide con motivo stuprano le orecchie e seminano l'incisione di ghiaccio
Il cast di alfabeto apocalittico sillaba il credo della dizione temperata
Aggettivi di annientamento seppelliscono il punto oltre la redenzione
I verbi velenosi di spietato candore plagiano il fervore degli assassini
Un amico nel bisogno è un amico che sanguina
Lascia che il silenzio amaro infetti la ferita

Eri un mercenario sentimentale in una zona di fuoco libera
Sfoggiando una coscienza hollywoodiana
Eri un obiettore alla moda con un feticcio uniforme
Schiavista pavloviano alla cassa fino all'anello del successo
Un non osservatore - assassino il collezionista - disertore

Quindi ti sei rassegnato al fallimento, amico mio
E sono emerso lo straniero agghiacciante, amico mio
Per sradicare il problema, amico mio
Rovescia la lama all'interno della voce

Sono l'assassino
Sono l'assassino

E come si chiamano assassini che accusano assassini, amico mio?

segunda-feira, outubro 22, 2018

Mandrião



"Orlando"

O filme que vimos ontem.

RETICÊNCIAS

Arrumar a vida, pôr prateleiras na vontade e na
acção.
Quero fazer isto agora, como sempre quis, com o
mesmo resultado;
Mas que bom ter o propósito claro, firme só na
clareza, de fazer qualquer coisa!
Vou fazer as malas para o Definitivo,
Organizar Álvaro de Campos,
E amanhã ficar na mesma coisa que antes de
ontem — um antes de ontem que é sempre...
Sorrio do conhecimento antecipado da coisa
nenhuma que serei.
Sorrio ao menos; sempre é alguma coisa o sorrir...
Produtos românticos, nós todos...
E se não fôssemos produtos românticos, se calhar não seríamos nada.
Assim se faz a literatura...
Santos Deuses, assim até se faz a vida!
Os outros também são românticos,
Os outros também não realizam nada, e são ricos e pobres,
Os outros também levam a vida a olhar para as malas a arrumar,
Os outros também dormem ao lado dos papéis meio compostos,
Os outros também são eu.
Vendedeira da rua cantando o teu pregão como um hino inconsciente, Rodinha dentada na relojoaria
da economia política,
Mãe, presente ou futura, de mortos no descascar dos Impérios,
A tua voz chega-me como uma chamada a parte nenhuma, como o silêncio da vida...
Olho dos papéis que estou pensando em arrumar para a janela por onde não vi a vendedeira que ouvi
por ela,
E o meu sorriso, que ainda não acabara, inclui uma crítica metafísica.
Descri de todos os deuses diante de uma secretária por arrumar,
Fitei de frente todos os destinos pela distracção de ouvir apregoando,
E o meu cansaço é um barco velho que apodrece na praia deserta,
E com esta imagem de qualquer outro poeta fecho a secretária e o poema...
Como um deus, não arrumei nem uma coisa nem outra...
15-5-1929 . Álvaro de Campos

domingo, outubro 21, 2018

I don't drive like this

half knowing why



This covers me, that erst had the blue sky.
This soil treads me, that once I trod. My hand
Put these inscriptions here, half knowing why;
Last, and hence seeing all, of the passing band.

Inscriptions . Fernando Pessoa

The work is done. The hammer is laid down.

The work is done. The hammer is laid down.
The artisans, that built the slow-grown town,
Have been succeeded by those who still built.
All this is something lack-of-something screening.
The thought whole has no meaning
But lies by Time's wall like a pitcher spilt.

Inscriptions . Fernando Pessoa

terça-feira, outubro 16, 2018

REALIDADE


Sim, passava aqui frequentemente há vinte anos...
Nada está mudado — ou, pelo menos, não dou por isso —
Nesta localidade da cidade...
Há vinte anos!...
O que eu era então! Ora, era outro...
Há vinte anos, e as casas não sabem de nada...
Vinte anos inúteis (e sei lá se o foram!
Sei eu o que é útil ou inútil?)...
Vinte anos perdidos (mas o que seria ganhá-los?)
Tento reconstruir na minha imaginação
Quem eu era e como era quando por aqui passava
Há vinte anos...
Não me lembro, não me posso lembrar.
O outro que aqui passava então,
Se existisse hoje, talvez se lembrasse...
Há tanta personagem de romance que conheço melhor por dentro
Do que esse eu-mesmo que há vinte anos passava aqui!
Sim, o mistério do tempo.
Sim, o não se saber nada,
Sim, o termos todos nascido a bordo.
Sim, sim, tudo isso, ou outra forma de o dizer...
Daquela janela do segundo-andar, ainda idêntica a si mesma,
Debruçava-se então uma rapariga mais velha que eu, mais lembradamente de azul.
Hoje, se calhar, está o quê?
Podemos imaginar tudo do que nada sabemos.
Estou parado física e moralmente: não quero imaginar nada...
Houve um dia em que subi esta rua pensando alegremente no futuro.
Pois Deus dá licença que o que não existe seja fortemente iluminado.
Hoje, descendo esta rua, nem no passado penso alegremente.
Quando muito, nem penso...
Tenho a impressão que as duas figuras se cruzaram na rua, nem então nem agora,
Mas aqui mesmo, sem tempo a perturbar o cruzamento.
Olhámos indiferentemente um para o outro.
E eu o antigo lá subi a rua imaginando um futuro girassol.
E eu o moderno lá desci a rua não imaginando nada.
Talvez isto realmente se desse...
Verdadeiramente se desse...
Sim, carnalmente se desse...
Sim, talvez...
Álvaro de Campos  -  15-12-1932

HORA ABSURDA

O teu silêncio é uma nau com todas as velas pandas...
Brandas, as brisas brincam nas flâmulas, teu sorriso...
E o teu sorriso no teu silêncio é as escadas e as andas
Com que me finjo mais alto e ao pé de qualquer paraíso...

Meu coração é uma ânfora que cai e que se parte...
O teu silêncio recolhe-o e guarda-o, partido, a um canto...
Minha ideia de ti é um cadáver que o mar traz à praia..., e entanto
Tu és a tela irreal em que erro em cor a minha arte...

Abre todas as portas e que o vento varra a ideia
Que temos de que um fumo perfuma de ócio os salões...
Minha alma é uma caverna enchida pela maré cheia,
E a minha ideia de te sonhar uma caravana de histriões...

Chove ouro baço, mas não no lá-fora... É em mim... Sou a Hora,
E a Hora é de assombros e toda ela escombros dela...
Na minha atenção há uma viúva pobre que nunca chora...
No meu céu interior nunca houve uma única estrela...

Hoje o céu é pesado como a ideia de nunca chegar a um porto...
A chuva miúda é vazia... a Hora sabe a ter sido...
Não haver qualquer coisa como leitos para as naus!... Absorto
Em se alhear de si, teu olhar é uma praga sem sentido...

Todas as minhas horas são feitas de jaspe negro,
Minhas ânsias todas talhadas num mármore que não há,
Não é alegria nem dor esta dor com que me alegro,
E a minha bondade inversa não é nem boa nem má...

Os feixes dos lictores abriram-se à beira dos caminhos...
Os pendões das vitórias medievais nem chegaram às cruzadas...
Puseram in-fólios úteis entre as pedras das barricadas...
E a erva cresceu nas vias férreas com viços daninhos...

Ah, como esta hora é velha!... E todas as naus partiram!
Na praia só um cabo morto e uns restos de vela falam
De Longe, das horas do Sul, de onde os nossos sonhos tiram
Aquela angústia de sonhar mais que até para si calam...

O palácio está em ruínas... Dói ver no parque o abandono
Da fonte sem repuxo... Ninguém ergue o olhar da estrada
E sente saudades de si ante aquele lugar-Outono...
Esta paisagem é um manuscrito com a frase mais bela cortada...

A doida partiu todos os candelabros glabros,
Sujou de humano o lago com cartas rasgadas, muitas...
E a minha alma é aquela luz que não mais haverá nos candelabros...
E que querem ao lado aziago minhas ânsias, brisas fortuitas?...

Porque me aflijo e me enfermo?... Deitam-se nuas ao luar
Todas as ninfas... Veio o sol e já tinham partido...
O teu silêncio que me embala é a ideia de naufragar,
E a ideia de a tua voz soar a lira dum Apolo fingido...

Já não há caudas de pavões todas olhos nos jardins de outrora...
As próprias sombras estão mais tristes... Ainda
Há rastos de vestes de aias (parece) no chão, e ainda chora
Um como que eco de passos pela alameda que eis finda...

Todos os ocasos fundiram-se na minha alma...
As relvas de todos os prados foram frescas sob meus pés frios...
Secou em teu olhar a ideia de te julgares calma,
E eu ver isso em ti é um porto sem navios...

Ergueram-se a um tempo todos os remos... Pelo ouro das searas
Passou uma saudade de não serem o mar.. Em frente
Ao meu trono de alheamento há gestos com pedras raras...
Minha alma é uma lâmpada que se apagou e ainda está quente...

Ah, e o teu silêncio é um perfil de píncaro ao sol!
Todas as princesas sentiram o seio oprimido...
Da última janela do castelo só um girassol
Se vê, e o sonhar que há outros põe brumas no nosso sentido...

Sermos, e não sermos mais!... Ó leões nascidos na jaula!...
Repique de sinos para além, no Outro Vale... Perto?...
Arde o colégio e uma criança ficou fechada na aula...
Porque não há-de ser o Norte o Sul?... O que está descoberto?...

E eu deliro... De repente pauso no que penso... Fito-te
E o teu silêncio é uma cegueira minha... Fito-te e sonho...
Há coisas rubras e cobras no modo como medito-te,
E a tua ideia sabe à lembrança de um sabor de medonho...

Para que não ter por ti desprezo? Porque não perdê-lo?...
Ah, deixa que eu te ignore... O teu silêncio é um leque —
Um leque fechado, um leque que aberto seria tão belo, tão belo,
Mas mais belo é não o abrir, para que a Hora não peque...

Gelaram todas as mãos cruzadas sobre todos os peitos...
Murcharam mais flores do que as que havia no jardim...
O meu amar-te é uma catedral de silêncios eleitos,
E os meus sonhos uma escada sem princípio mas com fim...

Alguém vai entrar pela porta... Sente-se o ar sorrir...
Tecedeiras viúvas gozam as mortalhas de virgens que tecem...
Ah, o teu tédio é uma estátua de uma mulher que há-de vir,
O perfume que os crisântemos teriam, se o tivessem...

É preciso destruir o propósito de todas as pontes,
Vestir de alheamento as paisagens de todas as terras,
Endireitar à força a curva dos horizontes,
E gemer por ter de viver, como um ruído brusco de serras...

Há tão pouca gente que ame as paisagens que não existem!...
Saber que continuará a haver o mesmo mundo amanhã — como nos desalegra!...
Que o meu ouvir o teu silêncio não seja nuvens que atristem
O teu sorriso, anjo exilado, e o teu tédio, auréola negra...

Suave. como ter mãe e irmãs, a tarde rica desce...
Não chove já, e o vasto céu é um grande sorriso imperfeito...
A minha consciência de ter consciência de ti é uma prece,
E o meu saber-te a sorrir uma flor murcha a meu peito...

Ah, se fôssemos duas figuras num longínquo vitral!...
Ah, se fôssemos as duas cores de uma bandeira de glória!...
Estátua acéfala posta a um canto, poeirenta pia baptismal,
Pendão de vencidos tendo escrito ao centro este lema — Vitória!

O que é que me tortura?... Se até a tua face calma
Só me enche de tédios e de ópios de ócios medonhos...
Não sei... Eu sou um doido que estranha a sua própria alma...
Eu fui amado em efígie num país para além dos sonhos...

Fernando Pessoa  -  4-7-1913

sábado, outubro 06, 2018

Amigos, Lemon Pie, Aldeia

É bom ter amigos. Alguém com quem partilhar bons momentos, mas também um pouco dos maus.  Pessoas que nos aturam as loucuras e complexidades, e que se esforçam por ter disponibilidade para as nossas agendas. Com quem queremos partilhar os percursos das viagens, mesmo quando são no campo das ideias. Pessoas que alegram as nossas estadias, as refeições e os petiscos. Para quem e com quem existe sempre gelado Lemon Pie no congelador e Bohemia Bock, queijo fresco e queijo dos Açores, e chouriço alentejano e presunto no frigorífico. E pão comprado à saída do forno. E laranjas, muitas. E palavras, boas. Alguém com quem falar com palavras faladas. Alguém a quem abraçar. Alguém que nos conheça desde lá atrás, às vezes desde o tempo da escola. Que tenha acompanhado e partilhado os nossos percursos. Alguém que abre a casa, põe a mesa, a cama e a piscina para nós, e alguém para com quem mais tarde acendemos a lareira da nossa casa de aldeia. Que os amigos não devem sofrer com o calor, nem com o frio. Que a amizade não é citadina, mas da aldeia. Da aldeia global dos bons sentimentos.