JCT Music

sábado, julho 31, 2010

Devia haver um botão

que nos trouxesse alegria quando estamos tristes fizesse ficar bonito quem é feio acabasse com as chatices todas quando premido desse imaginação a quem costuma copiar nos levasse para uma ilha deserta na companhia preferida mantivesse a cerveja sempre fresquinha permitisse serem eternas as paixões deixasse intactos os nossos sonhos.

(acho que encontrei a prova que Bill Gates e Deus são pessoas diferentes)

Furtuito e Furtivo


Procurei Furtuito e Furtivo na literatura protuguesa.
Não encontrei.

Wiki: "caso fortuito é o evento humano imprevisível e, por isso, inevitável, acidental, eventual"

Dici: "adj. Praticado a furto, às ocultas; secreto, escondido; disfarçado: um olhar furtivo"





Onde estão esses poetas?

terça-feira, julho 20, 2010












O Baile Da Viela

(João Monge)

Dança um monarca falhado com a coroa a cair
Dança com o Desejado que ainda há-de vir
Dança a virtude da raça no coração de um forcado
O matador também dança com o toiro sangrado


Dança o herói no armário imagem de arquivo
Com um juiz do plenário que ainda está vivo

Dança um polícia fardado na calçada desta rua
Um menino inconformado dança à luz da Lua

Vem a noite é de todas as Luas
Vem que todas as Bruxas são tuas

Anda devagar que elas vão acordar acordar

Dança o terceiro segredo no Altar do mundo
Uma mistura de medo e sentir mais profundo

Dança esta casa singela onde isto tudo se abriga
Ao fundo de uma viela e na porta uma figa


Vem a noite é de todas as Luas

Vem que todas as Bruxas são tuas
Anda devagar que elas vão acordar acordar
Vem a noite é de todas as Luas
Vem que todas as Bruxas são tuas
Anda devagar que elas vão acordar acordar

segunda-feira, julho 19, 2010

Que Saudades....











O Trocas-Pingas
(João Monge)

Ao petisco era branquinho
(tinha as suas opções)
Tinto as outras refeições
Agora anda mais liberto
Porque só bebe palheto
Tinha as suas opções

Ia sempre a Alameda
Apoiar o Sindicato.
Agora anda de fato,
Que esta vida não comporta
Bandeiras atrás da porta
Apoiar o Sindicato

Diz que agora esta melhor
Arranjou um bom emprego
Já não tem nada no prego
E pensa tirar até
Um curso da CEE.
Arranjou um bom emprego.

Se há gente que anda com galo
E não ganha p´ro bitoque
Pode ser que não lhe toque
"- Deus e pai e não se esquece
Quem não luta não merece
E não ganha p´ro bitoque!"

Antes tinha um capacete
Pejado de autocolantes
Mas isso... era dantes.
Agora tem outros usos,
Um carro pago aos soluços
Pejado de autocolantes

Vai deixar-se de palheto
E passar a laranjada,
A tasca vai ser mudada
Para servir em pratinhos
Com saladas e bolinhos
E passar a laranjada.

quarta-feira, julho 14, 2010

Nabil e Afonso Correia

Quem vê, Senhora, claro e manifesto
Quem vê, Senhora, claro e manifesto
O lindo ser de vossos olhos belos,
Se não perder de vista só em vê-los,
Já não paga o que deve a vosso gesto.

Este me parecia preço honesto;
Mas eu, por de vantagem merecê-los,
Dei mais a vida e alma por querê-los,
Donde já não me fica mais de resto.

Assim que a vida e alma e esperança,
E tudo quanto tenho, tudo é vosso,
E o proveito disso eu só o levo.

Porque é tamanha bem-aventurança
O dar-vos quanto tenho e quanto posso,
Que, quanto mais vos pago, mais vos devo.

Luís de Camões

Nabil (em Ksar el Kebir)

Nabil

Nabil

Nabil e Afonso (Arzila)


"Ainda de noite, partiu Afonso Correia, com 40 cavaleiros, para avisar D. Diogo de Sousa. Entrou em Arzila às primeiras horas da manhã de 31, mas a armada partira na véspera."

Nabil (no rio Mocazim)




Nabil atravessando o Mocazim.

Nabil e Afonso (Arzila)



Wiki: "Perto de al-Kasr al-Kebir há uma aldeia denominada Suaken. Foi aqui que se deu a Batalha por nós conhecida por Batalha de Alcácer Quibir e, provavelmente, onde foram, naquela altura, enterrados os três reis. Ainda hoje aí se encontra um obelisco em memória de D. Sebastião e mais dois em memória dos outros dois reis. Esta batalha ainda hoje é conhecida em Marrocos como a "batalha dos três reis"."

Olé !

Nabil e Afonso

quinta-feira, julho 08, 2010

da "Tabacaria"

Chego à janela e vejo a rua com uma nitidez absoluta.
Vejo as lojas, vejo os passeios, vejo os carros que passam,
Vejo os entes vivos vestidos que se cruzam,
Vejo os cães que também existem,
E tudo isto me pesa como uma condenação ao degredo,
E tudo isto é estrangeiro, como tudo
.

quinta-feira, julho 01, 2010

Warm Wet Circles
  


On promenades where drunks propose to lonely arcade mannequins
Where ceremonies pause at the jewelers shop display
Feigning casual silence in strained romantic interludes
Till they commit themselves to the muted journey home
And the pool player rests on another cue
Last nights hero picking up his dues
A honeymoon gambled on a ricochet
She's staring at the brochures at the holidays
Chalking up a name in your hometown
Standing all your mates to another round
Laughing at the world till the barman wipes away the warm wet circles
The warm wet circles

I saw teenage girls like gaudy moths

A classrooms shabby butterflies
Flirt in the glow of stranded telephone boxes;
Planning white lace weddings from smeared hearts and token proclamations,
Rolled from stolen lipsticks across the razored webs of glass
Sharing cigarettes with experience
With her giggling jealous confidantes,
She faithfully traces his name
With quick bitten fingernails
Through the tears of condensation
That'll cry through the night
As the glancing headlights of the last bus
Kiss adolescence goodbye

In a warm wet circle

Like a mothers kiss on your first broken heart,
A warm wet circle
Like a bullit hole in Central Park,
A warm wet circle
And I'll always surrender to the warm wet circles

She nervously undressed in the dancing beams of the Fidra lighthouse

Giving it all away before it's too late
She'll let a lovers tongue move in a warm wet circle
Giving it all away and showing no shame
She'll take a mother's kiss on her first broken heart
A warm wet circle,
She'll realise that she played her part in a warm wet circle

Teenage War Brides


It was a wedding ring,

Destined to be found in a cheap hotel


Não Há Céu Que Me Queira...

"Não há céu que me queira depois disto,
Nem Deus capaz de ouvir-me.
Um homem firme
É firme até no céu,
E até diante
Do Criador!
É o que eu diria se, ressuscitado,
Fosse chamado
A depor!"