quarta-feira, outubro 12, 2011

O Amor, Filho Do Recurso E Da Pobreza, Companheiro De Afrodite

"Quando nasceu Afrodite, banqueteavam-se os deuses, e entre os demais se encontrava também o filho de Prudência, Recurso. Depois que acabaram de jantar, veio para esmolar do festim a Pobreza, e ficou pela porta. Ora, Recurso, embriagado com o néctar - pois vinho ainda não havia - penetrou o jardim de Zeus e, pesado, adormeceu. Pobreza então, tramando em sua falta de recurso engendrar um filho de Recurso, deita-se ao seu lado e pronto concebe o Amor. Eis por que ficou companheiro e servo de Afrodite o Amor, gerado em seu natalício, ao mesmo tempo que por natureza amante do belo, porque também Afrodite é bela. E por ser filho o Amor de Recurso e de Pobreza foi esta a condição em que ele ficou. Primeiramente ele é sempre pobre, e longe está de ser delicado e belo, como a maioria imagina, mas é duro, seco, descalço e sem lar, sempre por terra e sem forro, deitando-se ao desabrigo, às portas e nos caminhos, porque tem a natureza da mãe, sempre convivendo com a precisão. Segundo o pai, porém, ele é insidioso com o que é belo e bom, e corajoso, decidido e enérgico, caçador terrível, sempre a tecer maquinações, ávido de sabedoria e cheio ele recursos, a filosofar por toda a vida, terrível mago, feiticeiro, sofista: e nem imortal é a sua natureza nem mortal, e no mesmo dia ora ele germina e vive, quando enriquece; ora morre e de novo ressuscita, graças à natureza do pai; e o que consegue sempre lhe escapa, de modo que nem empobrece o Amor nem enriquece, assim como também está no meio da sabedoria e da ignorância. Eis com efeito o que se dá.
Nenhum deus filosofa ou deseja ser sábio - pois já é -, assim como se alguém mais é sábio, não filosofa.
Nem também os ignorantes filosofam ou desejam ser sábios; pois é nisso mesmo que está o difícil da ignorância, no pensar, quem não é um homem distinto e gentil, nem inteligente, que lhe basta assim. Não deseja portanto quem não imagina ser deficiente naquilo que não pensa lhe ser preciso."

O Banquete
(Platão)

O John, A Rosinha, O Rui, A Marta...

Ninguém melhor para contar histórias completas em duas estrofes... 




Aos Amores
(Sérgio Godinho)

A vida que tudo arrasta os amores também
uns dão à costa, exaustos, outros vão mais além
navegadores só solitários dois a dois
heróis sem nome e até por isso heróis

Desde que o John partiu a Rosinha passa mal

vive na Loneley Street, Heartbreak Hotel, Portugal
ainda em si mora a doce mentira do amor
tomou-lhe o gosto ao provar-lhe o sabor

Os amores são facas de dois gumes

têm de um lado a paixão, do outro os ciúmes
são desencantos que vivem encantados
como velas que ardem por dois lados

Aos amores!


No convento as noviças cantam as madrugadas

e a bela monja escreve cartas arrebatadas
"é por virtude tua que tu és o meu vício
por ti eu lanço os ventos ao precipício"

O Rui da Casa Pia sabe que sabe amar

sopra na franja, maneira de se pentear
vai à posta restante para ver quem lhe escreveu
foi uma bela monja que nunca conheceu

Aos amores!


(desordeiros, irresistíveis, deleituosos, entranhantes,

verdadeiros, evitáveis, buliçosos, como dantes,
bicolores, transgressores, impostores, cantadores)

A Marta, quinze anos, vê na televisão

um beijo igual ao que ontem deu junto do vulcão
faz baby-sitting à espera de parecer mulher
quando é que o amor lhe explica o que dela quer?

Depois da dor, como conservar a inocência?

leia um bom livro, legue as lágrimas à ciência
e parta o vidro em caso de necessidade
deixe o seu coração ir em liberdade

Aos amores!





domingo, outubro 09, 2011

O Irmão Do Filho Pródigo

Porque é que ele que sempre trabalhou, sempre foi pacifico, sempre preservou os valores tradicionais é também sempre conotado com a inveja e sentimentos menos nobres?

Brian de Palma Movies

James Watson - How To Avoid Boring People

Orlando Furioso

"Ouvi, que não vereis com vãs façanhas,
fantásticas, fingidas, mentirosas,
louvar os vossos, como nas estranhas,
Musas, de engrandecer-se desejosas.
As verdadeiras vossas são tamanhas, 
que excedem Rodamonte e o vão Rugeiro
e Orlando, inda que fora verdadeiro."
(Lusíadas,1.11)

quarta-feira, outubro 05, 2011

Trapped


A Sabedoria

"A sabedoria não se transmite, é preciso que nós a descubramos fazendo uma caminhada que ninguém pode fazer em nosso lugar e que ninguém nos pode evitar, porque a sabedoria é uma maneira de ver as coisas."

sábado, outubro 01, 2011

Jogadas Bonitas

Jornal de Notícias, 30 Set 2011

"O presidente da Confederação da Indústria Portuguesa acusou, esta sexta-feira, o ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, de se pautar por "jogadas bonitas" por apenas se limitar a "promessas de medidas, mas não à sua apresentação".

António Saraiva, que falava à Lusa à margem da apresentação de um estudo da Confederação da Indústria Portuguesa (CIP) para o transporte de mercadorias em bitola europeia, considerou que, "lamentavelmente", se tem assistido a "promessas de medidas, mas não à sua apresentação". 

"O ministro da Economia, lamentavelmente, anda há meses, desde que tomou posse, a prometer-nos [reformas] para a semana seguinte - e já passaram muitas semanas seguintes sem que tenha concretizado nada do que tem prometido", afirmou. 

"É tempo de nos deixarmos de bonitas jogadas e marcarmos golos, porque os jogos ganham-se marcando golos. O senhor ministro da Economia é provavelmente um excelente treinador [ao nível das] tácitas de jogo, pode ter as melhores ideias, as melhores concepções, mas se não marcarmos golos, Portugal perde o campeonato", acrescentou."

 É caso para nos perguntarmos se um país que já tem o Alberto João, necessita de (ou aguenta) mais este cromo-político-gafeísta-professor-periférico grande criador de anedotas de cariz económico mascaradas de visionarismo ?

Este Porto Não Perde Jogos....


Cylon-a




... já há pedidos para maior dureza de posições !!!
 

Quem Pode Ajudar ?


... dizem que lá por baixo bate um coração de coelhinho...!

Um Certo Peso

... em vez do Peso Certo.

Outside - cold air - stand, wait for rising sun

San Jacinto

...

Medicine man lead me up though town - Indian ground - so far down
Cut up land - each house - a pool - kids wearing water wings - drink in cool
Follow dry river bed - watch Scout and Guides make pow-wow signs
Past Geronimo's disco - Sit 'n' Bull steakhouse - white men dream
A rattle in the old man's sack - look at mountain top - keep climbing up
Way above us the desert snow - white wind blow

....

A Verdade Vem Sempre Ao De Cima


Para A Nóia