JCT Music

segunda-feira, setembro 28, 2015

Então queres ser um escritor?

http://inquietatitude.blogs.sapo.pt/entao-queres-ser-um-escritor-44982















Charles Bukowski


"Se não sai de ti a explodir
apesar de tudo,
não o faças.

a menos que saia sem perguntar 
do teu coração, 
da tua cabeça, da tua boca
das tuas entranhas,
não o faças.

se tens que estar horas sentado
a olhar para um ecrã de computador
ou curvado sobre a tua
máquina de escrever
procurando as palavras,
não o faças.

se o fazes por dinheiro ou 
fama,
não o faças.

se o fazes para teres
mulheres na tua cama,
não o faças.

se tens que te sentar e
reescrever uma e outra vez,
não o faças.

se dá trabalho só pensar em fazê-lo,
não o faças.

se tentas escrever como outros escreveram,
não o faças.

se tens que esperar para que saia de ti
a gritar,
então espera pacientemente.
se nunca sair de ti a gritar,
faz outra coisa.

se tens que o ler primeiro à tua mulher
ou namorada ou namorado
ou pais ou a quem quer que seja,
não estás preparado.

não sejas como muitos escritores,
não sejas como milhares de
pessoas que se consideram escritores,
não sejas chato nem aborrecido e
pedante, não te consumas com auto-devoção.
as bibliotecas de todo o mundo têm
bocejado até
adormecer
com os da tua espécie.

não sejas mais um.
não o faças.

a menos que saia da
tua alma como um míssil,
a menos que o estar parado
te leve à loucura ou
ao suicídio ou homicídio,
não o faças.

a menos que o sol dentro de ti
te queime as tripas,
não o faças.

quando chegar mesmo a altura,
e se foste escolhido,
vai acontecer
por si só e continuará a acontecer
até que tu morras ou morra em ti.

não há outra alternativa.
e nunca houve."
  
(Tradução: Manuel A. Domingos)

terça-feira, setembro 22, 2015

Pensar em não pensar em nada.

Nada e Tudo encontram-se no mesmo ponto, o ponto de confraternização das rectas paralelas. 
Lá onde o Horizonte de Eventos partilha o Tempo com o Infinito. 
Onde as Dimensões todas se reunem. Tenho esperança que uma delas faça a Acta e a divulgue. 
Onde não existe Cor nem Som nem Vida, mas onde estão todas as cores e todos os sons e todas as vidas. 
Onde a nossa Inteligência e Sentidos não alcançam a Profundidade das Leis da Física. 
Acreditar que há todo esse espaço, tempo e restantes dimensões, embora não os entenda, é tudo o que me é permitido pela natureza do que me constitui, nomeadamente a limitação das capacidades cognitivas. 
Se os Deuses não querem que vejamos o Mundo, fiquemo-nos na nossa Dimensão, por aqui.

sexta-feira, setembro 11, 2015

Ao ver este pequeno filme lembrei-me do livro "À l'ombre des jeunes filles en fleurs" de Marcel Proust. E do ensaio de Justin O'Brien sobre a teoria da transposição dos sexos em Proust, importante mecanismo para a análise crítica das suas obras na vertente da homossexualidade, posteriormente postulada por Eve Kosofsky Sedgwick na sua "Epistemology of the Closet". Sem dúvida um conjunto de leituras interessantes...Em relação à musica, "Kaf" é a letra do 11º Mandamento ("Do what thou wilt"). A única Lei para responder às nossas necessidades, precisamente o mistério da letra Kaf. Uma simbiose com as imagens do comportamento humano ao final do dia e a latente perenidade da Vida.

Du côté de chez Swann

"Acho muito razoável a crença céltica de que as almas daqueles que perdemos estão cativas em algum ser inferior, num animal, num vegetal, numa coisa inanimada, efetivamente perdidas para nós e, mal as reconhecemos, quebra- se o encanto. Libertadas para nós, venceram a morte e tornaram a viver conosco.
O mesmo acontece com o nosso passado. É trabalho baldado procurarmos evocá-lo, todos os nossos esforços da nossa inteligência são inúteis. Ele está escondido, fora do seu domínio e do seu alcance, em algum objeto material (na sensação que esse objeto material nos daria) de que não suspeitamos. Depende do acaso encontrarmos esse objeto antes de morrermos, ou não o encontrarmos."

MP