segunda-feira, abril 25, 2016

APOCALIPSE - de João Habitualmente

APOCALIPSE

recatai-vos velhas
fugi para a igreja
abanai o sino
fechai bem no quarto
o vosso netinho
o vosso menino
para que não veja
para que não saiba
para que não seja
assim como esses
que são cabeludos
que só têm barba
dizem palavrões
e dão encontrões
nas ruas da baixa
aos senhores sisudos

são uns parvalhões
recatai-vos velhas
trazei um polícia
uma esquadra inteira
ai tanta sujeira
imaginem só
andam-se a drogar
até metem dó
a cambalear

isto está perdido
ó velhas fugi
ide para ali
que aqui está fodido

recatai-vos velhas
tapai as orelhas
guardai o menino
fechai-o no quarto
metei-o na cama
para que não veja
para que não ouça
para que não seja
para que não tenha
para que não venha
perdeu-se o respeito
já não há moral

ó velhas fugi
olhem para ali
beijam-se na rua
fodem ao luar
antes de casar
já nem vão à tropa

só querem dinheiro
todo para estourar
já nem vão às putas
mostrar que são homens

ó senhor prior
já nem vão à missa
não têm missal
isto é um horror
vamos mesmo mal

fechai os olhos
não vejais o netinho
guardai-o no fundo
de um quarto comprido
para que não veja
para que não tenha
para que não seja
para que não venha
recatai-vos velhas
que já nem na praia
se consegue estar
ó virgem maria
ó senhor do céu
essas estrangeiras
deu-lhes para andar
de mamas ao léu
a tremelicar

ó velhas cuidado
assim é que não
inda a procissão
só vai no adro
não deixes que a merda
se ponha a medrar
gritai pelas ruas
falai prós jornais
morra a juventude
fine a desvergonha

chamemos quem ponha
estes animais

c’o a corda rente
ó velhas chamai
o presidente


libertai-vos velhas
vinde para o sol
dançar rock n’ rolI
ide até a lua
c’uma ganza fixe
esticai o dedo
apanhai boleia
fumai muito haxixe
ponde a casa cheia
dos nossos poetas
dos nosso malucos
andai de autocarro
a fugir ao pica

libertai-vos velhas
não pagueis a taxa
acabai com a graxa
aos vossos patrões
cagai no juízo
nas boas maneiras
cagai nas peneiras

ó velhas então?
vinde para aqui
para a confusão
ó velhas vesti
uma mini-saia

deixai que vos caia
esse ar tão mortiço
essa cara chocha
mostrai a coxa
gritai uma asneira
uma malandrice
pelos microfones

das rádios-pirata
ouvi os Police
os RoIling Stones
não vos afogueis
em mais água benta
bebei um bagaço
jogai a dinheiro
ide ao cangalheiro
adiai a morte
ide pelo mundo
por estradas à sorte
vinde para aqui
para o reviralho
e se não quiserdes
ide para o caralho!

domingo, abril 17, 2016

Poema de João Habitualmente

"...
agradecemos
à arte à ciência à história à sociologia
à política à religião
darem emprego a tanta gente

agradecemos
à tecnologia aos motores
pelo mesmo motivo
às fábricas aos computadores
idem
e a tudo quanto faça barulho cheire mal
foda a vegetação os rios os sóis a aragem
porque inevitavelmente somos a favor de uma poluição avançada,
não dessa como nos países de terceiro mundo que é feita
de gente magrinha
feia de ver.




Defendemos uma verdadeira poluição
pesada d'acordo com os padrões europeus
...
não nos esqueceremos igualmente dos nossos teóricos
já lhes basta a infelicidade de serem teóricos
de se esquecerem de comer
tudo a bem dos teoremas teóricos
explanações metafísicas
conceitos epistemológicos

não podemos claro deixar de
sentir ternura pelos nosso teóricos
...
e agora não agradecemos a mais ninguém
porque vamos comer um bom bife
talvez devêssemos agradecer
à defunta vaca

porque sempre em tudo o que façamos
sem dúvida contraímos
obrigação de comer um bom bife
e foder uma garrafa de verde
o que é um acto poético
de incomensurável estética."


In Antologia poética - Carnaval poético

Calabi-Yau



This image shows a local 2D cross-section of the real 6D manifold known in string theory as the Calabi-Yau quintic. This is an Einstein manifold and a popular candidate for the wrapped-up 6 hidden dimensions of 10-dimensional string theory at the scale of the Planck length. The 5 rings that form the outer boundaries shrink to points at infinity, so that a proper global embedding would be seen to have genus 6 (6 handles on a sphere, Euler characteristic -10). The underlying real 6D manifold (3D complex) has Euler characteristic -200, is embedded in CP4, and is described by this homogeneous equation in five complex variables: z05 + z15 + z25 + z35 + z45 = 0 The displayed surface is computed by assuming that some pair of complex inhomogenous variables, say z3/z0 andz4/z0, are constant (thus defining a 2-manifold slice of the 6-manifold), renormalizing the resulting inhomogeneous equations, and plotting the local Euclidean space solutions to the inhomogenous complex equation z15 + z25 = 1 This surface can be described as a family of 5x5 phase transformations on a fundamental domain, 1/25th of the surface, shown (slightly hidden) in blue. Each of the first set of phases mixes in a brighter red color to its patch, and the second set mixes in green. Thus the color alone shows the geometric parentage of each of the 25 patches. The resulting surface, which is embedded in 4D, is projected to 3D according to one's taste to produce the final rendering. Further details are given in Andrew J. Hanson, "A construction for computer visualization of certain complex curves," Notices of the Amer. Math. Soc. 41 (9): 1156-1163, (November/December 1994).