JCT Music

: : :

segunda-feira, abril 30, 2018

sábado, abril 28, 2018

Correlação de eventos

Faça-se o seguinte exercício: lembrarmo-nos (modo infinitivo pessoal) de tudo o que fazemos e vimos e sentimos durante um dia. O despertador a tocar. O levantar à pressa. Despir, tomar banho e fazer a barba. Desembaciar o espelho para ver melhor, arrumar a roupa suja e vestir roupa lavada. Calçar. Fazer umas festas ao gato e dar-lhe de comer. Pegar na mala e descer no elevador. Pegar no carro e viajar para Lisboa. Conduzir com atenção....Sair da garagem em Lisboa e ir tomar o pequeno almoço à pastelaria. Escolher entre as variedades do dia. Pagar. Seguir para o edifício de trabalho. Atravessar na passadeira com o semáforo verde. Observar os carros e os peões. Chegar ao escritório. Ligar o computador e começar a trabalhar. Falar com os colegas. Participar em reuniões. Planear o trabalho das equipas. Resolver incidentes e problemas..etc... (durante 14 horas)... etc... O dia acaba a ler ou a escrever ou a ver algum documentário. Se pensarmos que tudo o que vimos e lemos e sentimos, durante este dia, constitui um conjunto de dados, imagine-se a quantidade de dados que absorvemos durante 10 ou 20 anos. Agora imagine-se que tudo o que acontece no mundo, as noticias, as pessoas, cada uma das suas acções, tudo o que comem a cada refeição em todos os dias das suas vidas, os filmes, os vídeos, os consumos dos restaurantes, todos os carros que passam em todas as ruas, ou que não passam em rua nenhuma, também são dados. É (quase) impossível  ter a percepção da quantidade de dados que acabo de referir. É (quase) impossível correlacionar esses dados todos e descobrir o efeito-borboleta. Referi "quase" porque começam a existir máquinas com inteligência artificial, como o Watson e os computadores quânticos,  para os quais é possível fazê-lo. O Watson vê no mundo actual dados e eventos que o ser humano nem sequer sonha que existam, e tem a capacidade de os correlacionar descobrindo-lhes interdependências que dificilmente o homem alguma vez encontraria. No entanto os dados estão à vista de todos. Gostaria de usar um pouco desta capacidade computacional, para encontrar a relação de eventos, a probabilidade e a finalidade, de em dois dias consecutivos, eu conhecer duas mulheres com o mesmo nome: Bárbara. Até aqui nunca tinha conhecido ninguém com este nome. Uma é portuguesa e quer que lhe venda um móvel que era dos meus pais está à espera que lhe diga se quero vender, a outra é inglesa, ligou-me várias vezes e depois enviou informação sobre como lhe resolver uma questão do foro profissional. Ambas com o mesmo nome. Ambas simpáticas. Ambas feiosas. Ambas à espera de uma resposta minha. Diz-me lá Watson, com as capacidades que tens, o que é que isto significa ?

sexta-feira, abril 27, 2018

Brinquedos 2

Hoje de manhã quando cheguei à garagem em Lisboa, dei-me conta que vinha desde casa a ouvir esta música na versão instrumental de 7 minutos. Devo tê-la ouvido umas 3 vezes seguidas, sem de tal me dar conta.

No regresso, foi também o mesmo. Vim sempre a ouvir esta música e não me dei conta. 

Senil ou distraído ? 

quinta-feira, abril 26, 2018

Brinquedos

Hoje de tarde na viagem de regresso, o carro começou a tocar esta música, e como eu não acredito em coincidências. Interpretei o facto como uma mensagem.

"Foi quase ao por da lua 
e até o rio parou 
os barcos e as marés
o pássaro não cantou
o adeus foi a palavra
a rua emudeceu
a Amália fez esperar 
o Sol que não nasceu
ficou estrela sem rumo,
cadente e em tom derosa,
e um coração de néon 
brincando triste
sai de cena "

Ontem foi um 25 de Abril diferente

Ontem foi um 25 de Abril diferente. Senti a solidariedade e fui solidário. Tive a ajuda desinteressada de uma serie de pessoas, com as quais almocei. Também era o mínimo que podia fazer. E acabei por doar uma serie de bens novos, alguns por estrear - ou em bom estado - a pessoas necessitadas. Objectos que eu não usaria e que dão jeito a quem pouco tem. Fiquei com as recordações que mais me lembram os meus pais. As agendas preenchidas com as suas caligrafias. As suas fotografias, passes, cartões diversos. Os álbuns com décadas de fotografias. Alguns livros. Ainda posso doar mais coisas, se aparecer - ou eu conhecer - alguém necessitado. Apareceu-me uma senhora chamada Bárbara (com uma carrinha Volvo) que me queria fazer uma oferta por uma peça específica, mas eu não estava com vontade de pensar em dinheiro. De forma que embora tenhamos trocado contactos, o mais certo será eu preferir doar o conjunto completo, a vender a peça mais valiosa e depois ficar com o resto a ocupar espaço e a empatar. O meu objectivo em termos de decoração para aquela casa é  minimalista. Ter só o estritamente necessário. Sempre pensei ter um espaço para me dedicar à escultura em madeira, e até já tenho a madeira e os formões. Sempre me faltou foi o espaço. Agora posso comprar um estirador e dedicar-me também ao desenho e à pintura. Já tenho as telas, as tintas, os pincéis e os óleos. Faltava-me um espaço só meu. 

quarta-feira, abril 25, 2018

Por que raio se fazem manifestações de 25 de Abril...

...a exigir mais liberdades?

Ainda se fosse mais e melhor emprego?
Melhor Serviço Nacional de Saúde?
Melhor Educação e Mais Vagas nas Universidades Públicas?
Mais Cidadania?
...
Etc...
Eu ainda entendia.

Agora mais Liberdades ?!?

Temos presos políticos? Temos algum político que mereça não ir preso ?

Enfim, palermices de partidos e militantes caquécticos e senis.
Aliás, se preciso for voltar a lutar pela Liberdade, estes cretinos serão os primeiros a ficar em casa com as portas trancadas e as janelas fechadas.



Abrir as janelas, deixar entrar o Sol.

Hoje foi dia de ir limpar a casa de meus pais, deitar fora o que estava  usado, doar as coisas que estivessem em bom estado. Limpar os quartos, a sala, a cozinha e casa de banho, esvaziar a despensa, os móvéis, as gavetas e as arcas, encontrar a caixa com as poucas jóias e o ouro, descobrir os papéis importantes para a habilitação de herdeiros e as cartas com contas para pagar (hospital, tvcabo,imi,..). Também foi dia de deitar fora o frigorifico, a máquina de lavar roupa, o aspirador, candeeiros, ventoinhas, berbequim, loiças usadas, tachos e panelas, móveis pequenos, bancos e cadeiras. Retiraram-se todos os cortinados e quadros das paredes. No final a casa foi toda lavada, bem como a escadaria do prédio. Abriram-se as janelas e deixou-se entrar o Sol.
Perante tanta azáfama inesperadamente ainda apareceram pessoas que iam a passar e quiseram ver a casa para alugar e/ou comprar e ainda me fizeram ofertas pelas mobilias. Trocámos contactos pois não decidi ainda que destino dar à casa. Enfim, até tapar torneiras teve de ser feito. Claro que não fiz tudo sózinho. Fomos sete pessoas.
Eu e o meu filho Daniel, dois casais amigos e o filho de um dos casais. 
Verdadeiros amigos. Não amigos das redes sociais, onde aliás não sou "amigo" de nenhum deles.

O meu reconhecido agradecimento a todos eles, sem os quais não teria conseguido fazer nada.

Eu no Técnico


Eu na primária


Eu no liceu


Esta planta tem 13 anos

Hoje nas limpezas da casa da casa do meu pai.

Dei-me conta que esta planta estava há um mês sem ser regada.

Emocionou-me.

Dualismo Cartesiano



"O Dualismo Cartesiano ou Dualismo Psicofísico (ou ainda Dicotomia Corpo-Consciência), é um conceito segundo o qual o ser humano é um ser duplo, composto de uma substância pensante e uma substância extensa.
Isso porque o corpo é uma realidade física e fisiológica e, como tal, possui massa, extensão no espaço e movimento, como também desenvolve actividades de alimentação, digestão e etc., sempre sujeito às leis deterministas da natureza, enquanto os fenómenos mentais não têm extensão nem localização no espaço.
A mente realiza actividades de recordar, raciocinar, conhecer e querer, sem se submeter às leis físicas, mas são o lugar da liberdade."  

I Grieve- City of Angels by Peter Gabriel

LANA DEL REY - BLUE VELVET

terça-feira, abril 24, 2018

sexta-feira, abril 20, 2018

Almoço na praia

Amanhã vai estar um dia bom...

...para uma qualquer actividade radical.

Nesta altura do ano apetece algo do género GEOS. 

Entre SOAs, OSBs, OSRs, WCE's, APPs, WTBs e DBSs alguma coisa há-de estar disponível para alguma adrenalina nos circuitos. A trabalheira é levantar cedo e apanhar alguma chuva... mas faz parte. Custa-me estar a fazer convites e depois alguém que até nem queria participar, magoar-se. Daí eu nunca insistir quando há risco envolvido. 

[GMV] - Hey Mama

quinta-feira, abril 19, 2018

Um Estado de dor

Entusiasmado pela carta de ontem......hoje voltei, pela primeira vez, à casa de meu pai com intenção de apenas ver o correio. 

Depois afinal acabei por subir para separar a enorme quantidade de papeis (correio e publicidade) e fechar algumas janelas e torneiras que pudessem estar mal fechadas. 

No meio da amálgama de papéis estavam:
- uma carta, das Finanças, para pagamento do IMI, em nome da minha mãe... 
- uma carta, do Hospital, para pagamento do tratamento de dia 21 de Março, em nome do meu pai...

Além da enorme tristeza, fiquei com uma enorme revolta deste País que faz cobranças a pessoas que já morreram. 

Que Estado é este ? 

Um Estado de dor.

Não consegui chorar. Nem ainda. Nem assim. A minha maior tristeza nesta altura, é não conseguir chorar tudo o que ainda tenho para chorar.

quarta-feira, abril 18, 2018

Recebi uma carta

Como acontecia antigamente, hoje recebi uma carta. Era dos meus tios adoptivos a convidarem-me para ir conhecer as suas novas casas e instalações de apoio. Engraçado, já não devia receber cartas desde há uns 45 anos, pr'ai. Foi interessante ver aquelas letras miudinhas formarem frases e perceber-lhes o sentido. Pode ser que vá lá ter com eles na próxima semana, depois de passarem os compromissos de trabalho que tenho para os próximos 5 ou 6 dias. Acho que iria fazer-me bem. Entre isso e arrumar a garagem ou ir vasculhar os papéis importantes do meu pai que agora me são precisos, decidirei com as prioridades que existirem. Importante mesmo foi a forma com que estes laços foram criados com pessoas completamente desconhecidas, e agora receber notícias delas por um método do século passado, com caligrafia, num papel que irei guardar para sempre.

domingo, abril 15, 2018

Às vezes


Às vezes há que inspirar fundo, tomar coragem, ter a iniciativa e dar o passo para voar. 

Ter a certeza que o pior já passou e  que tudo só pode mesmo é melhorar.

No fim, há sempre alguém que nos irá abraçar.

A Cabana 2

Sentado no beiral da minha cabana observo o Rio Grande lá em baixo. Sabendo como é eterno o seu correr. Sabendo como é Eterno o meu correr. Liberto dos meus medos mais antigos, tenho comigo as diferentes crianças que fui em idades diferentes. Hoje estão comigo aqui na cerca e brincam entre si. Mais tarde vou abraçá-los a todos no meu peito, e deixar que uma ou outra lágrima de felicidade que escape pela face abaixo. Nestes dias despedi-me de duas grandes mulheres que preencheram a minha infância, com a sua dedicação e amor maternais e deixei-as finalmente ir. Falta resolver os outros dilemas de que este rio fará parte. Por que estou aqui? O que me atrai neste lugar, tão longe de onde nasci? Será que foi daqui que cheguei ao mar? Vou voltar lá para dentro, para mim. Continuar a minha peregrinação interior, perseguir os meus demónios e enfrentá-los. Sabendo que estão para breve novas descobertas sobre o que fui e como serei. 

The Lonely Road


Beatriz Coelho



O Estúdio


quinta-feira, abril 12, 2018

A Luz e o Bem

Hoje vivi profundamente o que Weiss divulgou acerca dos seres de luz.

Há pessoas com quem nos cruzamos, nestes trilhos da vida, que são elas próprias fontes de positivismo e de energia luminosa.

Nos tempos mais recentes conheci pelo menos três ou quatro pessoas assim, com as quais convivo esporadicamente. 


É espantosa a capacidade que elas têm de fazer o bem, e de o transmitirem às outras pessoas como se fossem autênticos Anjos. 

"20 minutos antes"

Hoje lembrei-me dos eventos de "20 minutos antes". 

Quantos erros eu não teria cometido se "20 minutos antes" tivesse pensado melhor, ou interrompido uma conversa, ou abandonado uma reunião, ou arrancando o lábio ao beijo, ou desistido de um desafio, ou não entrando naquela casa, ou chutando a bola com mais força, ou revelando o que vem até mim, ...apenas 20 minutos antes.

quarta-feira, abril 11, 2018

O que é que eu fiz hoje?

Depois do grande jantar de ontem com o cliente, hoje...:
- chateei-me com a DECO,
- usei finalmente a "Fera" como fera,
- conduzi aos "S"s. 
- fiz travagens bruscas e acelerei abusivamente,
- sem por ninguém em perigo abusei de estar com pressa,
- senti-me vivo e senti-me bem, 
- agora vou tirar os pontos com a cara ainda toda dorida... 
Fora isto, foi um dia normal.

PS: o Doutor não encontrou os pontos todos...isto só a mim é que acontece.